01 março 2010

O Padre que veste Prada e o outro que presta Prostituto (Estas ninguém fala)

Igreja sofre com escândalo

Postado por Eucimar de Oliveira
edvino1Se o padre Edvino é o diabo, ninguém sabe ao certo. Mas que ele usa Prada, não há dúvida. Também gosta de bons vinhos, camisas bem cortadas e boa comida. Mas seus hábitos refinados não são de agora, quando explode um escândalo na cúria do Rio de Janeiro sobre os excessos de gastos promovidos por ele na sua gestão de administrador da arquidiocese. É certo que Edvino comprou sófas de 20 mil reais para a sua sala e até um apartamento de 2 milhões de reais para abrigar o ex-bispo Dom Eusébio Scheid. Mas há muito tempo ele era o queridinho dos cardeais, literalmente, da igreja carioca. Há 10 anos foi mandado a Roma para estudar, se aperfeiçoar e voltar numa função mais importante. Foi, estudou, voltou e assumiu o cargo. A verdade é que toda confusão com o dinheiro da igreja, fruto de alguns aluguéis e, principalmente de doações dos fiéis, causou um imenso dano aos cofres eclesiásticos. Dados preliminares indicam que a coleta nas missas dominicais e nos demais ofícios tiveram uma queda de 30% nos últimos dias. Os fiéis começaram a ficar desconfiados e parcimoniosos na hora de colocar a mão no bolso. E mais do que isso. Foi a berto um cisma entre pessoas influentes que freqüentam o Palácio São Joaquim, sede da cúria. De um lado estão os que acham que Edvino realmente meteu os pés pelas mãos, chutou o balde e torrou o santo dinheirinho em vão. No outro lado do altar, tem gente questionando porque só agora Edvino foi jogado aos leões se sempre desfrutou de grande prestígio no clero.
foto_081Esta corrente quer provas mais contudentes para condenar o padre. Questiona, entre outras coisas se está certo ou errado, mesmo, o estudo da Fundação Getúlio Vargas que recomendou ao ex-administrador enxugar o quadro de pessoal da igreja. Também pede uma apreciação de contas, mesmo que sigilosa e intramuros, dos gastos com salários com os funcionários.
Eles sabem que havia pessoas ganhando mais de sete mil reais por mês para exercer funções para as quais a iniciativa privada paga pouco mais da metade. E não pára aí: algumas pessoas, que no passado tiveram muito dinheiro e quebraram por razões diversas foram abrigadas na folha de pagamento da igreja como uma espécie de retribuição por tudo aquilo que doaram quando tinham a carteira cheia. Uma espécie de plano de previdência celestial.
A discussão toda tem trazido dores de cabeças a Dom Orani, o novo bispo. Ele pede comedimento e silêncio aos seus auxiliares para tratar a questão e tirá-la da mídia. Mas a ele chegará em breve um pedido para que analise os contratos de aluguel que a igreja mantém com diversas empresas em um prédio de sua propriedade na Rua São José. Enquanto tudo não for resolvido, a Igreja continuará a sangrar, mesmo que em silêncio.
Sobre o dinheiro em caixa que Edvino gastou não há consenso entre as partes. Em março deste ano, a igreja recebeu 5 milhões de reais de um precatória da prefeitura de um contencioso de mais de 20 anos. O prefeito Eduardo Paes foi rápido no pagamento, mesmo quando diz que tem problemas de caixa. Mas pode ser que Paes tenha apenas cumprido uma decisão tomada antes de sua posse. Não se sabe. Certo mesmo é que Edvino sempre foi admirado pelo parlamento e pelo executivo. Dizem até que é uma intevenção sua, no Vaticano, para a anulação de um casamento, deu ao filho de um importante político a chance de entrar na igreja e contrair o sacramento do matrimônio pela segunda vez com a enteada de um outro político.
Leia também:
  1. Novo escândalo na igreja: padre era garoto de programa na Internet e aparecia até em vídeo Mais um duríssimo golpe na Igreja Católica. Depois de um sem-número de casos de pedofilia, a instituição agora é atingida por uma prática até então desconhecida entre seus párocos. É o...







1266993731_0Mais um duríssimo golpe na Igreja Católica. Depois de um sem-número de casos de pedofilia, a instituição agora é atingida por uma prática até então desconhecida entre seus párocos. É o caso de Samuel Martín, de 27 anos, acusado de gastar mais de 50 mil reais das doações recebidas com linhas eróticas e páginas pronográficas na Web.
O pecador se apresentava na Internet quase nu em fotos e fillmes e anunciava os seus atributos com a própria voz. Numa das mensagens, ele dizia passando-se por uma pessoa chamada Heitor: "Sou homem, heterosexual, espanhol e a serviço de sua felicidade. Para mulheres e casais. Sou bem dotado, com 15 centímetros, estou aberto a tudo, não se arrependerás, te farei gozar de felicidade como nunca e só não pratico sadomasoquismo".
O escândalo tomou conta da pequena cidade de Noez, pertecente à arquidiocese de Toledo, na Espanha. A maior parte do dinheiro gasto pelo padre depravado era proveniente de ajudas à paróquia para os eventos da Semana Santa. O sujeito ainda colocava à disposição dos clientes uma tabela de preços: 150 reais por 15 minutos ou 360 por uma hora. Ou seja: ainda fazia promoção, como no comércio varejista.
Mães de meninas que frequentavam a igreja de Samuel em aulas de catequese estão desconfiadas de que algo possa ter acontecido. O mais curioso de tudo é que a reação da arquidiocese de Toledo foi muito mais violenta contra os gastos do padre com o dinheiro da igreja do que com o seu comportamento.
Fonte: Youpode

Nenhum comentário:

Postar um comentário